domingo, 1 de novembro de 2015

DIA DOS FINADOS

Nas mãos carrego flores que desprezaste
Trago em mim a tristeza de quem te amou
Ajoelhado no jazigo, tu jamais me amaste.
Lacrimejam os olhos que não mais te olhou.

Puseram-te entre todas num só pedestal
Vendo em ti a beleza que o corpo oferece
Recebeste hoje flores em seu memorial
De alguém que jamais e nunca te esquece.

Talvez me veja prostrado meio a sepultura
Na lápide, letras borradas que não se apagou.
E veja que não te coloquei como escultura
Mas aqui venho para demostrar meu amor.

Mesmo vetusta não hesitei meu coração
Mais o tempo não deixa assim continuar
Deixo hoje meu epitáfio a nossa canção
Pois noutro ano estarei à lhe encontrar.

GERSON CLAYTON RODRIGUES DOS SANTOS. (s.d.).


Do livro de Antologia Palavras da Alma - edição 2015 - Editora Brial

4 comentários: