segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

O sítio

O sol curva diante do espetáculo
e logo se punha.

Não há flores
na manhã cinzenta de sábado.

O pasto sem cavalo e seco,
a velha casa de madeira, triste.
No telhado, um casal de pombos.

Havia sombra nas árvores envelhecidas,
cachimbava um cachimbo de fumo,
tudo ali era velho como as coisas.

O tempo deixava saudade...


© GERSON CLAYTON RODRIGUES DOS SANTOS. (s.d.)


Poema "O sítio" atribuído Certificado pela participação do 24° Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos promovido pela Secretária Municipal de Cultura e pela Academia Leopoldinense de Letras e  Artes.



6 comentários:

  1. É, realmente, um belo e reflexivo Poemeto! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. O tempo deixou suas marcas no Sítio mas inspirou um poeta e embelezou um poema. Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Que lindo poema !!!!Amei menino vc é realmente um poeta de renome !!Escreve isso que estou lhe dizendo .....Adorei.... .Tenho vários poemas publicados em Lisboa quando eu morava lá .naquele Jornal Metro, ele fica na Marques de Pombal se vc conhece lá vc vai saber ...Morei lá por nove anos e vou voltar fim do ano ..Já publiquei o meu segundo livro "Aroma de Romã" e " Amor de Amora " mas fiquei extasiada com seu poema linnnndo mesmo bjs obrigada por gostar dos meus poemas !!! Sucesso viu!!!!!!Célia Guímaro

    ResponderExcluir
  4. Estou feliz pelo elogio, parabéns pelos livros, também publiquei um Livro esse fim de ano, prêmio concebido pela editora LiteraCidade!

    ResponderExcluir